Quando Jesus se torna um ídolo

 Em Blog
screen-shot-2021-09-13-at-1.05.04-pm

Deixem-me ir directamente ao assunto.

Após 50 anos na igreja evangélica americana, 30 desses anos na liderança, estou a ficar cada vez mais alarmado com o facto de uma percentagem significativa da igreja ocidental estar a caminhar para, e de certa forma já está a caminhar para, uma espiritualidade profundamente perigosa no que diz respeito a Jesus. Sim, eu disse Jesus.

Desde o início da comunicação de Deus com o Seu povo, Ele tem-nos alertado repetidamente para os perigos da idolatria. Deus declara claramente nos Dez Mandamentos: "Não terás outros deuses diante de Mim" (Êxodo 20:3). O grande pecado de Israel depois de ter saído do Egipto foi criar o bezerro de ouro - um deus à sua própria imagem, imaginação, e design.

Embora tenha tido uma preocupação crescente sobre esta questão durante meses, e a tenha tornado uma questão de oração e reflexão, ela cristalizou-se para mim num momento há várias semanas, num culto semanal de adoração ao domingo de manhã. O momento foi intenso.

O líder do culto e os cantores estavam a cantar apaixonada e sinceramente o "último refrão". (Os nossos cânticos de adoração parecem agora ter um prazo de validade de cerca de 3 semanas. Mas isso é um artigo diferente. Fiquem atentos). Eu estava a fazer o meu melhor para me ligar ao culto, apesar de não conhecer a canção. Mas enquanto cantava, tentando aprender o refrão, apercebi-me subitamente que algo estava muito errado.

O coro de adoração era blasfémia. Uma heresia completa e perigosa.

Não quero identificar exactamente a canção, nem o artista, porque percebo que estas pessoas amam a Deus e amam a Sua Igreja e estão a fazer o seu melhor para o Senhor. Mas a essência da canção era dizer, repetidamente, que só há um trono no céu, e Jesus está sentado sobre ele, sozinho.

O problema aqui (e, diria eu, a heresia camuflada mas perigosa) é que, segundo a vossa Bíblia, Jesus não reina sozinho num trono no céu.

Agora, por favor, compreendam, o compositor procura descrever a QUARTA TRONCO DO UNIVERSO. Não se trata aqui de um ponto teológico menor, como a diferença entre baptismo por aspersão e baptismo por imersão. Estamos a lidar com o CENTRO DE PODER DE TUDO O QUE É. Por isso, vamos...saibam...que é CERTO. E, a leitura mais básica de Apocalipse 4 e 5 conta uma história completamente diferente. Mostra claramente um Trono, rodeado por 24 OUTROS Tronos, com um Cordeiro (Jesus) de pé "no meio" do Trono (5,6), e tirando o pergaminho "da mão direita daquele que se sentou no Trono" (5,7). Está mesmo ali. Em preto e branco. Desde Patmos. O Cordeiro (Jesus) tira o pergaminho do Um "no Trono".

Se não estivermos a perceber isto - se, em toda a escrita, gravação e revisão inicial desta canção, alguém, algures, não tivesse a alfabetização bíblica básica e a presença de espírito para dizer: "Ei - não estou certo de que isto reflicta com precisão a Sala do Trono" - então o que é que isso diz sobre nós enquanto comunidade de fé? O que diz isto sobre o estado da alfabetização bíblica básica e da teologia no evangelismo na América e no Ocidente?

De volta ao culto de adoração.

Levantei-me, interrompi o líder do culto, parei a música e disse: "Não vamos continuar com esta canção. E, temos de ter muito mais cuidado com as canções que cantamos". Dei então uma explicação de 5 minutos sobre as profundas deficiências teológicas da canção bem intencionada.

Amigos, por favor ouçam o meu coração. Palavras MEAN qualquer coisa. As palavras têm impacto. Uma palavra não se mede pela sua sinceridade, mas pela sua exactidão. E as palavras deste coro de culto particular, e de muitos outros como ele que estou a ouvir em toda a nação, são simultaneamente testemunha e reforço de uma tendência muito enganadora e perigosa.

Onde estamos agora mesmo

Nesta manifestação moderna da Igreja, esquecemos o Eterno. O Criador. O "Eu Sou Que Eu Sou". E nós esquecemo-nos do Espírito Santo. O Vento, o Sopro, e o Fogo de Deus. E o Jesus com que estamos tão transfixados e fascinados? Receio que ele seja um dos que fizemos à nossa imagem. Ele não é o verdadeiro Jesus. Nós estamos - em grande parte - a adorar outro Cristo, mesmo um anti-Cristo. Estamos a adorar um Jesus americano ou ocidental, não o Jesus da Bíblia que agora está sentado "à direita da Majestade nas alturas" (Hebreus 1,3).

Perdemos o medo do Senhor. Perdemos o sentido da majestade e da santa reverência no culto. Nunca tivemos um culto tão estilisticamente carismático ou pentecostal na igreja americana como agora - mas onde está a Presença do precioso Espírito Santo? Onde estão em funcionamento os dons do Espírito Santo?

Criámos um Jesus que é o nosso "melhor amigo", mas na realidade não lutamos com quem Ele foi na história. Não estudamos as Escrituras no seu contexto, encontrando as merecidas recompensas de uma exegese adequada, trabalhando profunda e intensamente para separar os factos da ficção, a história do mito. Estamos a receber a nossa teologia, se é assim que se pode chamar, dos postos Instagram.

Somos, em suma, analfabetos bíblicos, teologicamente superficiais, e espiritualmente narcisistas. E isto deu origem a "outro cristo".

O grande problema está no nosso mundo. Estão a chegar grandes problemas. Está à porta. E a sinceridade e as boas intenções e as batidas e letras não nos vão sustentar. Temos de nos encontrar e lutar novamente com Deus. Não será fácil, mas valerá a pena.

Quem é Jesus?

A igreja ocidental deve começar a lutar profundamente para vir a conhecer Jesus. Não a "voz interior", "melhor amigo no meu coração" Jesus, que pode (no meio da sinceridade) ainda escorregar facilmente para um Jesus sem fundamento, sem raízes, e por conseguinte, um Jesus subjectivo e sem sentido - mas sim o Jesus ACTUAL, verdadeiro, histórico. Quem era Ele? O que é que Ele disse REALMENTE? O que é que Ele não disse? Quem é este Aquele que estou a seguir?

A Torá e os Profetas predisseram um Servo justo que Deus levantaria de entre as famílias de Judá. Como cristãos, acreditamos que Jesus é esse Servo, esse Arauto, essa Ponte para o Pai. Se atribuirmos intencionalmente ou não intencionalmenteuma visão ocidental a Jesus que O eleva acima do Pai, ou que involuntariamente resulta n'Ele de alguma forma na substituição do Pai no Trono, corremos o risco de adorar um Deus que a Escritura não retrata. É uma heresia profunda.

Aqui estão apenas umas PEQUENAS Escrituras do Novo Testamento sobre as quais devemos meditar e permitir-nos falar connosco.

Agora, quando todas as coisas forem submetidas a Ele, então o próprio Filho estará também sujeito àquele que colocou todas as coisas sob Ele, para que Deus seja tudo em todos. (I Coríntios 15,28)

...que ao nome de Jesus cada joelho se curve, dos que estão no céu, e dos que estão na terra, e dos que estão debaixo da terra, e que cada língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai . (Filipenses 2,10-11)

"Mas a hora está a chegar, e agora é, quando os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e verdade; pois o Pai está à procura de tais para O adorar". (João 4,23)

Então Jesus respondeu e disse-lhes: "Em verdade vos digo que o Filho nada pode fazer de Si mesmo, mas o que vê o Pai fazer; pois tudo o que Ele faz, o Filho também o faz da mesma maneira". (João 5,19)

Finalmente, Jesus proclamou a Sua dependência do Pai para o desdobramento da realidade final, incluindo o próprio momento da Sua segunda vinda, desconhecido para Ele como Filho:

"Mas desse dia e dessa hora ninguém sabe, nem mesmo os anjos do céu, mas apenas o Meu Pai ". (Mateus 24,36)

Jesus, a quem adoramos, não é de algum modo um substituto ou substituição da glória majestosa do Santo, o Ancião dos Dias, que Ele veio a esta terra para representar.

O Jesus que Veio

Jesus veio à terra com uma missão específica: revelar o coração do Seu Pai e terminar a Sua obra, anunciar a salvação de Israel e das nações, e destruir as obras das trevas. Jesus é a videira que dá vida e na qual estamos organicamente ligados para o nosso sustento - para que possamos conhecer pessoalmente o Pai. E da maior importância, a Sua identidade como Filho de Deus está inextricavelmente sujeita ao Único Deus poderoso e Pai do universo.

Estamos a procurar adorar o próprio Jesus tal como Ele é, ou será que deslizámos - talvez sincera e inconscientemente - para um hábito perigoso de imaginar - "imaginar" - quem pensamos que Jesus é, ou queremos que Ele seja? Ouça o que diz a Escritura:

Não deve fazer para si um ídolo de qualquer espécie ou uma imagem de nada nos céus, nem na terra ou no mar. (Êxodo 20:4 NLT, ênfase acrescentada)

Que possamos regressar a Jesus - um homem judeu de Nazaré - que é o Cordeiro, sentado à direita de Deus Altíssimo.

Que vivamos para conhecer Jesus tal como Ele é - e para O revelar através das nossas acções e do nosso serviço ao mundo à nossa volta. Então a Escritura será cumprida na qual Jesus diz: "...para que todos sejam um, como Tu, Pai, estás em Mim, e eu em Ti; para que também eles sejam um em Nós, para que o mundo acredite que Me enviaste" (João 17,21).

Posts recentes
<em class='evo_tooltip_box'></em>
X